quarta-feira, 5 de agosto de 2009

O Bodisatva Ocidental Maldito

O Bodisatva Ocidental Maldito

E o rapaz, novo e descabelado, com cara de louco disse, sem delongas, aos que estavam lá para ouví-lo:

"Eu caio no sono sem perceber.
Acho que as vezes nem durmo, fico só meditando.
Acho que meditei tanto que, comparado a vocês, sou um velho mesquinho que se acha sábio demais para parar de pensar.
Tenho uma visão peculiar da minha mente.
Ela me parece um ancião chinês, bravo e conservador, com seus 200 anos de observação árdua da natureza.
Ele é o único que sabe que não chegou e nem vai chegar a lugar nenhum. Ninguém nunca chega.
Essa é a sina do homem ocidental: Nadar pra morrer na praia.
Se é assim, prefiro nadar pra sempre, tá tão gostoso por aqui."

Sabia ele ou não, era um dos únicos garotos bodisatva que restaram em tudo aquilo que teimavam em chamar de mundo.
Pediu um chá, sentou-se e emanou o Dharma para todos os que restaram.

Um comentário:

culas disse...

Essa gripe veio pra ficar!