quarta-feira, 27 de julho de 2016

Me desfaço
E me encontro
Desfeito

Feito um tiro
No peito frágil
Lânguido
Ágil
E deito

Me desmancho

E mancho o chão
Com o sangue nosso
Póstumo
Estancado

Hemoglobina

E então desfeito
Arrumo um jeito
Mexo,
Grito,
Clarifico

Ó sangre nostro
Mórbido
Gratifico

E
poético político
Humano fraco fico

terça-feira, 19 de julho de 2016

te amei sozinho, mulher
e ainda amo.

meu costume é abrir essa janela e pensar em você.

e ainda desperto todos os dias com esse costume barato,
insensato,
ilógico,
desse amor que sempre foi só meu.

Até arredo o tempo, meu bem,
penso um pouco,
ponho paciência no jogo,
mas não me aguento...

Meu corpo, falho,
ainda te sente - cheia de roupas e receios.
Meu sexo, frágil, ainda
te aguarda caliente - e cheio de anseios.

O poema da falsa liberdade tardia

Dorme o velho bêbado
na rua
muda

Passa o carro e absorve

O velho dorme

Passos largos no caminho
de volta pra casa que nunca teve
e volta

A revolta longe, já nem lembra.

O que recorda é o velho pesar
a pipa que não voa mais,
nem voará

O que relembra e enaltece
é o mundo que esquece em cada gole de cachaça
e tenta viver, e tudo passa
mas nada há de passar

E dorme pra esquecer
que acorda no dia seguinte
pra querer dormir

relógico

Cada qual tem um tempo
cada tempo pulsa
e pulsa
tic

Cada metro quadrado
aguardado
pulsa

Todo espaço no seu tempo
e a cada contratempo
momento
tac

E se pudesse viver o instante
cada alçada ante
penitência
tic

E se quisesse saber do futuro
um belo e velho muro
teria consentimento

É que de novo
tac

E que de velho
tic

E toc
o mundo

Prefere viver de desalento

Se o canto já passou
e a lástima engessou
o que lhe resta é contento

sexta-feira, 15 de julho de 2016

Ontem fui ao cinema sozinho, esperando te ver por lá. Pensei que, entre todas as cadeiras vazias, uma estaria cheia de ti e era ao lado que eu iria sentar.
Ontem fui ao cinema sozinho e, ao findar do filme, levantei rápido para ver se estavas ali. Te vi em todos os rostos chorosos e solitários, mas em nenhum te encontrei.
Ontem fui ao cinema sozinho, esperando dividir um cigarro contigo na volta. Como não estavas por lá, andei sozinho o calçadão, atravessei a rua, subi o morro, entrei em casa, deitei e dormi.

sábado, 9 de julho de 2016

Penso que tudo tem uma consciência própria
inumana, porém consciente.

Dou olá ao chá,
converso com o desinfetante,
escondo o cigarro das roupas recém lavadas:
elas ficariam sentidas.
Não existe dor maior
que o Dó menor
seguido de um Si
e depois deixado pra Lá

Alumia

Nasce o sol de luz
e alumia

distancia o LED
dos olhos claros
e, claro, sorria

Nasce o sol alumiando
e esquenta
a pele vermelha
sadia;
Alumia aqui o riso fácil
Nasce o sol e me alegria

sexta-feira, 8 de julho de 2016

A coincidência de uma morada comum

É estranho ver em tua antiga casa outra mulher que me seduz.
Lembro-me exato do dia em que se mudara pra cá. Tão cheia de alegrias, em contraste com o tamanho da bagagem que carregava. Teus sonhos ainda vivem aqui, imagino, nunca realizados.
Enquanto converso com ela, é recorrente que teu fantasma apareça, de camisola preta e uma taça de vinho nas mãos.
Nosso assunto é sempre rodeado de nostalgia minha.
Será que a nova amiga percebe os rodeios que faço nas palavras para ter tempo de lembrar de você?
Acredito que não.
Então me deleito. Decorei teus passos nesses anos passados. Te vejo caminhar em todos os cômodos, falando as graças e perturbações que sempre dividíamos. Acariciando o gato com nome amarelo, apertando-lhe as bochechas felinas.
Digo à moça que preciso interromper o assunto para ir ao banheiro. E neste cômodo tudo está diferente. Com iluminação mais forte, fica confuso relembrar as cenas que tivemos. Te vejo escovando os dentes, penteando os cabelos. Abro a porta do box devagar, para que soe desapercebido.
Lembro de fazer amor no banho. Te lavar o corpo devagar enquanto falamos de trivialidades e nos beijamos.
Na volta, a garota está na cozinha. Abraço-a quase como te abraçava, por detrás, frente à pia. Beijo-a ali, mas tenho o cuidado de que o beijo seja de modo diferente, talvez menos amoroso. Meus gestos para com você estão guardados nessa casa e aqui permanecerão (sem serem novamente utilizados - nunca).
Nos amamos em teu antigo quarto. Com outra configuração, mas definitivamente o mesmo. Escuto os novos ecos, de novos suspiros, ressonando nas mesmas paredes que os antigos suspiros teus.
Quando descanso, suado, acaricio os cabelos do novo amor e penso neste quarto.
Foi aqui que me dissera adeus.
Nesse mesmo lugar onde deito exausto, ficou o nosso amor.
Tento não lembrar das lágrimas, mas emociono. Aqui, neste mesmo ar, deve ter sobrado resquício líquido da lamentação que derramamos por conta do fim de um tempo. Nosso pequeno tempo.
Então, ainda acariciando a outra, vou fechando os olhos. Não sei se espero sonhar os sonhos que tive aqui naquelas noites. Não sei se espero que, ao acordar, o quarto esteja de um jeito antigo - o jeito teu - e ao meu lado os teus cabelos longos.
Na verdade, não espero nada.
Nunca mais voltarei aqui.
Depuis nos radicaux
Sont tout mous
Tous ses fruits
Touchent le sol

quarta-feira, 6 de julho de 2016

Descobri que teu cheiro era só meu cheiro maquiado
O cheiro solitário.
O cheiro forte e fraco da minha mão sozinha, fedendo a cigarros

Descobri que você nunca me existiu como é
E agora, talvez, nunca irá