segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Um Ente Querido

Eu sigo independente,
onipotente,
um pouco contente
e com dor de dente.

Consigo inconsequente,
descaradamente,
tem cadeira, sente,
mas tá frio, se esquente.

Me ligo ausente,
solenemente,
no meio da gente
usando um terno indecente.

Agora estou ciente,
inconstitucionalissimamente,
quem dormir não mente,
vou dormir, me alente.

SINCERAMENTE?
NÃO HÁ QUEM AGUENTE!

2 comentários:

Pedro Inácio disse...

eu acho lindo. :]

Maciel disse...

quem dormir não mente